Itamaraty admite à ONU que grupos neonazistas cresceram no Brasil 

Em relatório encaminhado à ONU em resposta a um pedido da organização, o governo brasileiro admitiu que o movimento neonazista vem crescendo no País desde os anos 80, de acordo com matéria de Jamil Chade, no UOL. Os dados fazem parte de um informe da ONU que será debatido nesta segunda-feira, no Conselho de Direitos Humanos, em Genebra. “Desde os anos 1980, o movimento neonazista se intensificou no Brasil. Ele continuou ativo e incluiu mais de 12 grupos”, diz o texto enviado pelo Itamaraty.
O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC) deve debater nesta segunda-feira em sua 48ª sessão, em Genebra, a associação que vem sendo feita, especialmente em redes sociais, entre a pandemia de Covid-19 e o neonazismo. “A crise de Covid-19 criou um terreno fértil para a disseminação do racismo, da xenofobia e do antissemitismo”, diz um relatório de Israel que deverá ser lido no início da reunião, de acordo com matéria de Tovah Lazaroff, no Jerusalem Post.