Judeus latino-americanos podem ser alvos de ataque terrorista do Hezbollah, alerta Gantz

O ministro israelense da Defesa, Benny Gantz, alertou os judeus da América Latina para a possibilidade de serem alvos de ataques do grupo terrorista Hezbollah, como já aconteceu no passado.
Falando na noite desta quinta-feira em evento online promovido pela Agência Judaica e pelo Ministério de Assuntos Estratégicos por ocasião da oitava noite de Chanucá, Gantz lembrou dos atentados ocorridos na Argentina na década de 1990 – em 1992 contra a embaixada israelense e em 1994 contra a organização judaica AMIA – e disse que isso pode voltar a acontecer.
“Não sei de uma ameaça específica que possa acontecer agora, mas o perigo existe”, disse Gantz.
Um dos participantes, líder da comunidade judaica paulista, perguntou a Gantz sobre o perigo de um atentado terrorista, principalmente do Hezbollah, diante da presença da grande comunidade libanesa que vive na América Latina. Em 1994, 87 pessoas foram mortas em atentado a bomba contra a Asociación Mutual Israelita Argentina (AMIA), em ação atribuída ao Hezbollah e ao Irã.
O Hezbollah tem tentáculos em todo o mundo e na América Latina em particular, disse Gantz. Portanto, é importante trabalhar com as autoridades locais para garantir a segurança pessoal e institucional, acrescentou.
Israel também sabe como ajudar as comunidades judaicas a se organizarem em torno de questões de segurança, disse ele.
Também houve perigo na Europa, disse Gantz, referindo-se a ataques ocorridos na Alemanha, França e Bulgária, disse ele.
“Devemos estar alertas”, acrescentou.
Gantz pediu às nações que reconheçam o Hezbollah como uma organização terrorista. No passado, Israel esclareceu que tanto a ala política quanto a militar do Hezbollah devem ser reconhecidas como terroristas.
As sanções contra o Irã também são uma ferramenta importante para conter o terror, disse ele, acrescentando que o dinheiro que o Irã recebeu quando as sanções foram suspensas não foi para seus cidadãos, mas sim para patrocinar o terrorismo.
Entre os participantes do evento estavam o presidente da Agência Judaica, Issac Herzog, e a ministra de Assuntos da Diáspora, Omer Yankelevich, e o ministro de Assuntos Estratégicos Michael Biton, ambos do Partido Azul e Branco, de Gantz.

Foto: Minsitério da Defesa