Julgamento de Netanyahu é adiado para 8 de fevereiro devido ao bloqueio de coronavírus

O Tribunal Distrital de Jerusalém anunciou nesta segunda-feira que a próxima audiência do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em seu julgamento por corrupção foi remarcada para 8 de fevereiro.

O tribunal determinou o adiamento do julgamento de Netanyahu na sexta-feira, citando o bloqueio do coronavírus e o grande número de testemunhas a serem ouvidas. A determinação pode adiar a convocação de testemunhas para um momento antes ou depois da eleição.

A decisão veio menos de 48 horas depois que o mesmo tribunal rejeitou o pedido de Netanyahu de adiar sua audiência de 13 de janeiro.

O tribunal disse que, apesar de a acusação ter feito alterações no processo, os advogados de Netanyahu tiveram um ano inteiro para estudar o caso e que as mudanças introduzidas não eram significativamente substanciais para justificar um adiamento.

“Um primeiro-ministro envolvido até o pescoço em investigações não tem mandato público ou ético para decidir sobre tais situações”, disse o chefe da oposição e líder do Yesh Atid, Yair Lapid, acrescentando que há uma “preocupação real” de que Netanyahu tome decisões com base em seus interesses pessoais e de sobrevivência política e não no interesse nacional.

Ron Huldai, líder do Partido Israelense, aproveitou a oportunidade para atacar o presidente do Azul e Branco e primeiro-ministro suplente, Benny Gantz, por permitir que os tribunais chegassem a tal situação.

Gantz respondeu que não tinha controle sobre a decisão do tribunal e que, em geral, havia deixado os tribunais abertos para permitir que suspendessem os procedimentos de acordo com as considerações dos próprios juízes.

“O maior problema é que um primeiro-ministro de Israel está sendo indiciado e, portanto, há uma nuvem de considerações pessoais e jurídicas flutuando acima de suas decisões”, disse Gantz. “É essa realidade que precisamos mudar nas próximas eleições”.

O julgamento do primeiro-ministro também foi adiado por dois meses, de março a maio, durante o primeiro bloqueio, mas não foi adiado durante o segundo.

Foto por RONEN ZVULUN / REUTERS.