Lottenberg e Bialski conversam sobre pandemia, polarização política, família e amizade

O presidente e o vice-presidente da Conib, Claudio Lottenberg e Daniel Bialski, respectivamente, conversaram nesta quarta (2) sobre trabalho, polarização política dentro da comunidade judaica, pandemia, família e amizade em live no Instagram. A gestão de três anos de Bialski frente à Hebraica foi um dos assuntos mais abordados. Bialski ressaltou também a satisfação de assumir um novo papel na Conib.

Bialski falou da renovação do conselho, de obras que realizou no clube e do esforço de tonar a Hebraica não só no maior, mas no melhor clube judaico do mundo. E falou especialmente dos desafios e apoio que recebeu dos sócios e equipe durante a pandemia. “Tivemos que investir na programação virtual, mas os sócios (da Hebraica) entenderam a necessidade das mudanças, assim como os funcionários do clube que trabalharam incansavelmente desde o início da pandemia. Fizemos parcerias com a prefeitura e lançamos campanhas de arrecadação de fundos para entidades assistenciais”, disse Bialski.

“E o que mudou na Hebraica com o novo estatuto?”, perguntou Lottenberg. “Basicamente a forma de gestão”, disse Bialski, citando como exemplo a situação financeira de sócios que passaram seus títulos para filhos e netos e que, por isso, só podiam frequentar o clube como convidados. Essas pessoas passaram a ser admitidas na titularidade dos filhos e agora podem frequentar o clube como sócios e não apenas como convidados, disse ele.

Lottenberg destacou o importante papel de Bialski nas mudanças promovidas pela Hebraica, especialmente na volta da juventude ao clube. “O maior clube judaico do país está recuperando a participação dos jovens”, destacou Lottenberg.

Bialski falou sobre o recente processo eleitoral e citou a polarização política também dentro da Hebraica, destacando a necessidade de a comunidade entender e respeitar as opiniões divergentes.

Lottenberg destacou o importante papel de Bialski na liderança do clube e perguntou sobre planos para o futuro. “Pretendo me dedicar mais ao trabalho voluntário. As instituições em que trabalhei foram uma escola para mim. Consegui fazer um clube melhor e trazer os jovens de volta. Posso ter cometido erros, mas acho que tive mais acertos do que erros”, disse Bialski.