Mesmo liderando a vacinação mundial, Israel pode impor um quarto bloqueio antes das eleições

Israel pode entrar em um quarto bloqueio antes das eleições de 23 de março, advertiu o diretor do Gabinete de Coronavirus, professor Nachman Ash na manhã desta quarta-feira em entrevista à rádio 103FM.

“Teremos que avaliar os dados nas próximas semanas. É uma possibilidade real recomendarmos um quarto bloqueio antes da eleição”, disse ele, acrescentando que nesta terça-feira cerca de 4.240 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 em Israel.

Enquanto isso, a taxa R (de reprodução) – que mede o número médio de pessoas que cada portador do coronavírus infecta – subiu novamente para 1, enquanto o país se preparava para a terceira fase da estratégia de saída do bloqueio. A partir de domingo, restaurantes e salas de eventos retomarão as atividades depois de meses, e as fronteiras israelenses serão reabertas – pelo menos parcialmente.

Embora a nova rodada de reabertura esteja de acordo com o cronograma sugerido pelo Ministério da Saúde no final de janeiro, as autoridades de saúde expressaram preocupação com a decisão do governo de seguir adiante com o plano completo, diante da atual situação de alta nas taxas de infecção. Alguns críticos indicaram que as decisões de reabertura foram influenciadas pela corrida eleitoral para as próximas eleições de 23 de março.

“Quanto mais nos aproximamos da eleição, mais difícil é manter uma gestão estritamente profissional”, disse Tomer Lotan, um alto funcionário do Ministério da Saúde à Rádio do Exército.

Depois de cair por vários dias, a taxa R começou a subir novamente no final da semana passada, ficando em 1 na segunda-feira, caindo para 0,97 na terça-feira e subindo novamente nesta quarta-feira. A situação é especialmente difícil no setor árabe, onde o R ficou em 1,12. A área também é a que apresenta a menor taxa de vacinação – atingindo apenas 67% das pessoas com mais de 50 anos e 31% de todas as idades. Na população em geral, as taxas são de 89% e 58%, respectivamente.

Manter a taxa de R igual ou inferior a 1 é um dos critérios que o Ministério da Saúde impôs como condição para o relaxamento das restrições, juntamente com o número de pessoas totalmente vacinadas e o número de pacientes em estado grave. Esses últimos números têm melhorado continuamente.

De acordo com relatório divulgado pelo Ministério da Saúde nesta manhã, o número de pacientes em estado grave caiu em 24 para um total de 717, dos quais 224 estão em ventiladores.

Cerca de 4.265 novas infecções por coronavírus foram identificadas nas 24 horas anteriores, com 4,8% dos 91.000 testes retornando um resultado positivo.

O número de mortos aumentou para 5.797.

Foto: MARC ISRAEL SELLEM/THE JERUSALEM POST