Milhares protestam nos EUA contra o antissemitismo

Milhares de pessoas participaram neste domingo de uma grande manifestação contra o antissemitismo e em apoio aos judeus no National Mall, próximo ao Capitólio em Washington, DC, segundo matérias de Ron Kampeas, do JTA, do Times of Israel e de Omri Nahmias, no Jerusalem Post.
O evento, intitulado “Sem ódio, sem medo: um encontro em Solidariedade com o Povo Judeu”, contou com o apoio de dezenas de organizações pró-Israel, entre elas a até então desconhecida Alliance For Israel, as Federações Judaicas da América do Norte, a Liga Anti-Difamação, o Comitê Judaico Americano, a B’nai Brith International, o Fundo Nacional Judaico, Hadassah e o Movimento de Combate ao Antissemitismo, entre muitas outras.
O evento foi convocado diante da crescente violência antissemita nos Estados Unidos, desencadeada por ocasião da guerra entre Israel e o Hamas, em maio.
Entre os ataques a judeus relacionados ao conflito Israel-Hamas, um rabino de Boston foi atacado com faca e tiros foram disparados contra uma sinagoga. Dezenas de instituições judaicas foram vandalizadas nos Estados Unidos desde maio, incluindo museus do Holocausto, casas Chabad e escolas.
Meghan McCain, filha do falecido senador John McCain, foi uma dos oradores a falar no evento. “Não vamos deixar (o antissemitismo) acontecer aqui nos Estados Unidos da América”, disse ela. “Não podemos ficar calados e, acima de tudo, não podemos ter medo. Estou aqui para dizer a todos vocês, que não estão sós. Não sou judia, mas posso sentir o quanto isso é assustador”.
McCain destacou a importância de se condenar o antissemitismo tanto de direita quanto de esquerda, e disse que cada vez mais as pessoas são incapazes de condenar o ódio aos judeus “em seu próprio partido”.