Ministério Público de São Paulo instaura inquérito civil contra o Clube do Minhoca por exibição de stand up antissemita

O Ministério Público do Estado de São Paulo instaurou inquérito civil, com o objetivo de investigar a atuação do Clube do Minhoca, que promoveu um show da artista Lea Maria Jahn, de conteúdo racista (antissemita) e de inspiração nazista. O MP pede que sejam enviados ofícios para o YouTube Brasil, solicitando a retirada do vídeo objeto de investigação e à DECRADI – Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância do DHPP, solicitando-se a instauração de inquérito policial, com enquadramento no artigo 20, § 1º, da Lei nº 7.716/89, que define os crimes de preconceito.

Diz o MP em trecho do documento:

“Tem-se, portanto, a existência de um vídeo, de grande circulação, que faz sátira com o extermínio de judeus; e a informação de que sua produção e divulgação deu-se num show realizado num espaço comercial privado, aberto ao público, que desta forma contribuiu para a disseminação da propaganda antissemita e nazista. O conteúdo nazista e antissemita é inquestionável, seja pela invocação da simbologia nazista, seja pelo teor da suposta piada, que poderia sugerir alguma sutileza na abordagem do holocausto, mas que se desnuda de modo escancarado quando mentalmente se indaga: por que um judeu fugiria de seu amigo alemão?

O episódio, máxime porque não ficou restrito às dimensões da casa comercial paulistana, visto que divulgado pelo Youtube, ganhou ampla repercussão no meio judaico internacional, tendo sido objeto de matéria jornalística na Jewish Telegraphic Agency, notória agência internacional de notícias judaicas.

O caráter racista, antissemita e o proselitismo nazista no show de humor reclamam a atuação desta Promotoria de Justiça de Direitos Humanos, que assim o faz”.

A Conib e a Fisesp repudiaram, em maio, o stand-up antissemita, enviando notas à artista e ao estabelecimento.