Não vamos calar, não vamos admitir, não vamos silenciar

Na última sexta-feira, 08 de novembro, a comunidade judaica foi surpreendida pela edição semanal nº 2602 da Revista IstoÉ que a pretexto de abordar questões da política nacional, enveredou para uma matéria com conteúdo claramente antissemita.

O texto, intitulado “O Goebbels do Planalto”, comparando um membro de nossa comunidade, Fábio Wajngarten, ao carrasco nazista e montando um quadro ilustrativo intitulado “a manipulação da colônia judaica” ultrapassou a barreira do jornalismo ético e informativo que todos prezamos como brasileiros.

Pela exiguidade do tempo disponível na tarde da última sexta-feira e em respeito ao Shabat, a Confederação Israelita do Brasil (CONIB) e a Federação Israelita do Estado de São Paulo (FISESP), assim como federações de outros estados, limitaram-se a lançar uma nota de repúdio, além de contatar o editor da revista, manifestando seu desagrado com o teor da matéria.

A CONIB e a FISESP, como representantes da comunidade judaica brasileira e paulista, tomarão as medidas judiciais cabíveis para que manifestações de cunho claramente antissemita não sejam toleradas. Na data de ontem, domingo, 10 de novembro, foi formalizada a contratação dos advogados criminalistas José Luis Oliveira Lima e Daniel Kignel, que atuarão pro bono em nome da comunidade judaica, analisando e propondo as medidas judiciais a serem adotadas.

A liberdade de imprensa que tanto valorizamos não pode se confundir com a discriminação e com o antissemitismo. Não vamos calar, não vamos admitir, não vamos silenciar.

CONIB – Confederação Israelita do Brasil
FISESP – Federação Israelita do Estado de São Paulo