Netanyahu anuncia que vai submeter ao Knesset na próxima semana os ‘Acordos de Abraão’

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que vai submeter ao Knesset na próxima semana os acordos de normalização de Israel com os Emirados Árabes Unidos e com o Bahrein, assinados no mês passado na Casa Branca.

Netanyahu assinou um “Tratado de Paz” com os Emirados Árabes Unidos no mês passado, mas o pacto deve ser ratificado pelos ministros e pelos parlamentares antes de entrar em vigor.

Não ficou claro, porém, o dia da votação em plenário para ratificar o acordo.

Junto com o acordo com os Emirados Árabes Unidos, Netanyahu assinou uma “Declaração de Paz” com o Bahrein se comprometendo a estabelecer relações diplomáticas plenas. Durante a cerimônia de assinatura em 15 de setembro na Casa Branca, Israel, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos assinaram os Acordos de Abraham, com o aval do presidente dos EUA, Donald Trump, como testemunha.

A aprovação do acordo com os Emirados Árabes Unidos como um tratado de paz o colocará em pé de igualdade com os tratados celebrados com o Egito e a Jordânia. Mas, ao contrário do Egito e da Jordânia, os únicos países árabes com os quais Jerusalém tem laços oficiais, Israel e os Emirados Árabes Unidos nunca estiveram em guerra.

Antes da cerimônia de assinatura, o gabinete do primeiro-ministro esclareceu que o acordo de normalização com os Emirados Árabes Unidos só entrará em vigor depois de votado pelo legislativo – uma petição foi protocolada para impedir que os acordos entrem em vigor caso não sejam aprovados pelo gabinete ou Knesset.

Uma delegação israelense foi ao Bahrein no mês passado para acertar os detalhes do acordo.

Vários outros estados árabes foram apontados pelos EUA como os prováveis próximos países a normalizar os laços com Israel, especialmente o Sudão.