Netanyahu anuncia visita ao Bahrein

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou nesta terça-feira planos de viajar ao Bahrein após sua visita incomum à Arábia Saudita, país que não tem laços com Israel. Netanyahu disse que falou ao telefone com o príncipe herdeiro e primeiro-ministro do Bahrein, Salman bin Hamad Al Khalifa, que o convidou para visitar a nação do Golfo, meses após os países normalizarem seus laços.

O anúncio da viagem ocorre após a primeira visita de um ministro das Relações Exteriores do Bahrein ao Estado judeu na semana passada.

Como um sinal do aprofundamento do relacionamento de Netanyahu com os líderes árabes regionais, Netanyahu disse que conversou com o o príncipe herdeiro Salman bin Hamad bin Isa Al Khalifa. “Esta foi nossa segunda conversa; e foi muito amigável”, disse Netanyahu.

“Ambos estamos muito emocionados pelo fato de podermos levar a paz aos nossos povos e nossos países em um curto espaço de tempo. Por isso, ele também me convidou para fazer uma visita oficial ao Bahrein em breve. Farei isso, com prazer”, disse Netanyahu nesta terça-feira.

Israel ratificou este mês seu acordo de normalização com o Bahrein, que seguiu um acordo semelhante com os Emirados Árabes Unidos.

Na última quarta-feira, Israel sediou uma reunião trilateral entre Netanyahu, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o ministro das Relações Exteriores do Bahrein, Abdulatif bin Rashid Al Zayani, em Jerusalém.

A normalização de relações com Israel, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein foram intermediados pela administração Trump sob a rubrica de “Acordos de Abraão”.

Israel e Sudão já concordaram em princípio em assinar um novo acordo de normalização.

Na segunda-feira, segundo a Reuters, Israel enviou uma delegação ao Sudão para discutir cooperação econômica e humanitária.

As conversas se concentraram em como Israel pode apoiar a agricultura, segurança alimentar, abastecimento de água e saúde do Sudão, disse a fonte, que não quis ser identificada..

Os delegados israelenses também se encontraram separadamente com representantes da embaixada dos Estados Unidos em Cartum, disse a fonte.

Autoridades israelenses e sudanesas não comentaram o encontro, e nem a embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém.

Especialistas também consideram a Arábia Saudita o próximo país a normalizar os laços com o Estado judeu.

Nos últimos dias, Pompeo visitou os Emirados Árabes Unidos, Catar e depois a Arábia Saudita no domingo.

Em um movimento sem precedentes, Netanyahu se juntou a Pompeo lá para um encontro com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, que acredita-se ser favorável a laços com Israel, enquanto seu pai, o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, se opõe. A viagem foi mantida em segredo e divulgada um dia depois pela mídia.

O governo Trump deixa Washington em janeiro e tem pouco tempo para fechar novos acordos no Oriente Médio.