Parlamento alemão aprova resolução que considera antissemita o movimento palestino de boicote a Israel

O Parlamento alemão (Bundestag) aprovou hoje uma resolução que considera antissemita o movimento palestino de boicote a Israel. Ao considerar o movimento de boicote antissemita, o Bundestag recomendou aos escritórios e órgãos federais alemães que não colaborem com eventos que busquem, de alguma forma, boicotar ou deslegitimar o Estado judeu. A resolução define Israel como “um Estado judeu, e, portanto, um ataque contra o país constitui antissemitismo”.

O ministro israelense da Segurança Pública e de Assuntos Estratégicos, Gilad Erdan, agradeceu à Alemanha e conclamou outras nações do bloco europeu a tomarem a mesma iniciativa.

Erdan considerou a decisão “um passo importante na guerra contra o boicote” e como definição do que é o “novo antissemitismo” e destacou que “a verdadeira face do movimento (de boicote) está sendo exposta”.

A Alemanha é o primeiro país da União Europeia a adotar uma decisão contra o BDS (Boicote, Desenvolvimento e Sanções).

O porta-voz do Ministério israelense das Relações Exteriores Emmanuel Nahshon elogiou a decisão em um tuíte: “Este é um passo importante que esperamos que seja adotado por outros órgãos legislativos europeus”.

A iniciativa foi promovida pela União Democrata Cristã (CDU), pelo Partido Social Democrata (SPD), pelo Partido Verde e pelo Partido Democrático Livre (FDP).

A resolução, denominada “Resistindo decisivamente ao movimento BDS e em combate ao antissemitismo”, pede ao governo que “não forneça espaços públicos e outras instalações para organizações que se expressem de forma antissemita ou questionem o direito de Israel existir”.