Mykal McEldowney/The Indianapolis Star via AP)

Pesquisa da ADL revela que mais da metade dos judeus americanos experimentou o antissemitismo nos últimos 5 anos

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira pela ADL (Anti-Defamation League) revelou que mais da metade dos judeus americanos experimentaram o antissemitismo de alguma forma nos últimos cinco anos e que 59 por cento acham que os judeus estão menos seguros nos EUA do que há uma década.

A pesquisa revelou que 63 por cento dos entrevistados sofreram ataques ou ouviram comentários antissemitas, ofensas ou ameaças dirigidas a outras pessoas – um aumento de 54% com relação à pesquisa de 2020.

Nove por cento dos judeus americanos indicaram na pesquisa que sofreram ataques físicos nos últimos cinco anos por serem judeus – um pouco acima do índice registrado em 2020, mas ainda dentro da margem de erro.

“Após os ataques antissemitas em Pittsburgh, Poway, Jersey City e Monsey, os judeus americanos estão relatando que se sentem menos seguros nos EUA hoje do que se sentiam uma década antes”, disse o CEO da ADL, Jonathan Greenblatt, em comunicado. “Olhando para os últimos cinco anos, que foram marcados pelo antissemitismo em Charlottesville em 2017 e os símbolos de ódio exibidos durante a violação do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, é compreensível que o nível de ansiedade e as preocupações da comunidade com relação à sua segurança estejam aumentando”.

“Essas revelações reforçam a necessidade de um posicionamento de toda a sociedade para combater o antissemitismo”, disse Greenblatt. “Quer apareça nas redes sociais ou diante de uma sinagoga, o antissemitismo não tem lugar nas nossa sociedade. Precisamos de líderes corporativos e governamentais para garantir que isso não ganhe espaço nas mídias sociais ou na sociedade em geral”.

A pesquisa foi realizada pela YouGov, uma empresa líder de análise de dados e opinião pública, examinando experiências de judeus americanos com antissemitismo online e offline. A pesquisa com mais de 500 judeus americanos adultos com mais de 18 anos foi conduzida de 7 a 15 de janeiro de 2021 e tem uma margem de erro de 4,4% para mais ou para menos.

Foto: Mykal McEldowney/The Indianapolis Star via AP