Polícia alemã prende célula terrorista islâmica que pretendia atacar sinagoga em Berlim

A polícia alemã realizou buscas em todo o país e prendeu islâmicos suspeitos de planejarem um ataque a uma sinagoga de Berlim.
As autoridades alemãs afirmaram que estão em alerta máximo contra ameaças islâmicas no país – o mais populoso da Europa.

“Sob suspeita de planejar um ato violento grave que põe em risco a segurança do estado, mandados de busca estão sendo executados em Berlim, Brandemburgo, Renânia do Norte-Vestfália e Turíngia”, disse o gabinete do procurador-geral de Berlim via Twitter.

Os supostos militantes, de origem chechena, têm entre 23 e 28 anos de idade e são “suspeitos de terem procurado locais para um possível ataque islâmico”, disse a polícia de Berlim em comunicado.

As suspeitas foram motivadas por fotos encontradas no celular de um dos suspeitos durante uma verificação policial de rotina, acrescentou.

A revista alemã Der Spiegel afirmou que os suspeitos poderiam ter como alvo uma sinagoga em Berlim, já que entre o material apreendido há um vídeo do prédio onde funciona a sinagoga. Os suspeitos também teriam procurado vários shopping centers como possíveis alvos, disse a revista.

Cerca de 180 policiais participaram das operações, confiscando dinheiro, discos rígidos e facas.

A polícia não confirmou as informações da Der Spiegel sobre possíveis alvos.

Mas acrescentou que “com base nas informações atuais, ainda não há o risco concreto de um ataque”.

O ataque mais violento na Alemanha aconteceu em dezembro de 2016, quando um caminhão invadiu um mercado de Natal atropelando, matando e ferindo várias pessoas. O agressor, o tunisiano Anis Amri, sequestrou o caminhão, depois de matar o motorista polonês, e atropelou 11 pessoas. Ele fugiu do local e foi morto a tiros pela polícia italiana em Milão, quatro dias depois.

Desde então, as autoridades alemãs frustraram nove ataques de islâmicos radicais.

Mais recentemente, a polícia da cidade de Offenbach, no oeste do país, prendeu três homens em novembro por supostamente planejar um ataque a bomba em nome do Estado Islâmico.

No mesmo mês, um sírio foi preso em Berlim depois de ter adquirido componentes para a fabricação de uma bomba e trocado informações com outros islâmicos nas redes sociais sobre como fabricar explosivos.

Os serviços de segurança da Alemanha estimam que haja cerca de 11.000 radicais islâmicos na Alemanha. Destes, 680 são considerados particularmente perigosos e capazes de usar a violência. Cerca de 150 desses radicais potencialmente perigosos foram detidos por vários crimes.

Um deles tentou atacar uma sinagoga em Halle, em outubro, quando dezenas de judeus participavam dos cultos no Iom Kipur – o dia mais sagrado do judaísmo.

Ao não conseguir atravessar uma porta trancada, o agressor atirou contra transeuntes, matando duas pessoas e ferindo outras duas.
As autoridades disseram que o alemão de 27 anos que confessou o ataque havia postado um comentário antissemita momentos antes e transmitido a ação ao vivo em site de videogame.