Presidente do Irã indica como ministro do Interior procurado pela Interpol por atentado à AMIA 

O novo presidente do Irã, Ebrahim Raisi, indicou como ministro do Interior o general Ahmad Vahidi, que é procurado pela Interpol pelo atentado terrorista à sede da organização judaica AMIA, em Buenos Aires, em 1994, segundo matéria da AP publicada no Times of Israel.
Vahidi, que já foi ministro da Defesa do Irã, e outros ex-funcionários iranianos foram apontados como responsáveis pelo atentado à bomba que destruiu a sede da AMIA em Buenos Aires, causando a morte de 85 pessoas e ferindo mais de 300. Até hoje, ninguém foi punido pelo ataque.
O promotor argentino Alberto Nisman, que investigava o ataque à AMIA, foi encontrado morto em janeiro de 2015 quando se preparava para denunciar no Congresso argentino a ex-presidente Cristina Kirchner pelo acordo assinado com o Irã, pelo qual os funcionários iranianos envolvidos no ataque à AMIA seriam protegidos em troca de favorecimento comercial à Argentina.
De acordo com a matéria no Times of Israel, Ahmad Vahidi, procurado pela Interpol; tem fortes ligações com a Guarda Revolucionária iraniana e com o Hezbollah
Raisi anunciou a composição de seu gabinete nesta quarta-feira, segundo relatou a TV estatal citada na matéria. Também o novo ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir-Abdollahian, é conhecido por manter laços estreitos com o Hezbollah.
Amir-Abdollahian, de 56 anos, atuou em várias administrações ao longo de décadas. Ele foi vice-ministro das Relações Exteriores para assuntos árabes e africanos no governo do ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad, conhecido por negar o Holocausto e defender a destruição de Israel.