Ra'anan Cohen

Presidente do Knesset antecipa para domingo a votação sobre o novo governo 

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pode encerrar seus 12 anos consecutivos no poder em cinco dias, já que o presidente do Knesset, Yariv Levin, anunciou nesta terça-feira que a votação sobre a posse do novo “governo de mudança” será realizada durante sessão parlamentar especial no domingo, um dia antes do prazo estipulado por lei.
A aliança de oito partidos de “governo de mudança”, encabeçada pelo primeiro-ministro indicado Naftali Bennett e o líder do Yesh Atid, Yair Lapid, prevê ganhar o apoio de uma maioria de 61-59 na votação.
De acordo com a decisão, todos os acordos da coalizão devem ser formalmente entregues ao Knesset e tornados públicos até sexta-feira. O bloco pró-Netanyahu terá, portanto, 48 horas – não as 24 horas exigidas por lei, já que o dia de descanso do sábado não é contado – para examinar os acordos e pressionar os parlamentares de direita a mudar de posição antes do voto de confiança.
Em um comunicado, Levin disse que um novo presidente do Knesset será escolhido durante a mesma sessão.
O Knesset normalmente não se reúne aos domingos.
Levin notificou formalmente o Parlamento na segunda-feira que o líder do partido Yesh Atid, Yair Lapid, conseguiu formar um novo governo dentro do tempo que lhe foi atribuído pelo presidente Reuven Rivlin, mas na ocasião ele não definiu uma data para o juramento , que por lei deve ocorrer até 14 de junho.
Levin, do partido Likud e leal a Netanyahu, foi acusado de tentar agendar o juramento de uma forma que daria aos aliados do premiê uma maior chance de frustrar a coalizão persuadindo possíveis membros da direita a desertar. Por isso, membros do “governo de mudança” pressionaram Levin a não esperar até o último dia e convocar a votação para quarta-feira.
A lei determina que o voto de confiança deve ocorrer dentro de sete dias a partir da notificação formal ao presidente do Knesset.
Lapid comemorou o anúncio de Levin no Twitter.
“Está acontecendo!” ele escreveu. “Agradeço ao presidente do Knesset, Yariv Levin, por definir a data do juramento para o domingo”. “A parlamentar Karine Elharrar convocará o Comitê de Arranjos para definir o cronograma. Os acordos de coalizão serão apresentados conforme exigido por lei”
“O governo de unidade está seguindo em frente em benefício dos cidadãos de Israel”.
Nesta segunda-feira, Lapid disse que a coalizão se esforçará para unir uma nação fragmentada e também servirá a toda a nação, incluindo aqueles que votaram em partidos que vão para a oposição.
“Este governo será bom e durará porque se baseia nas coisas certas – na confiança, na decência, na boa vontade”, disse Lapid em uma reunião com membros do Yesh Atid, ao comentar sobre o ceticismo generalizado sobre a sobrevivência de uma coalizão com um maioria parlamentar muito pequena e uma composição heterogênea de partidos de direita, de centro, de esquerda e árabes.
O parlamentar Nir Orbach, do Yamina, anunciou hoje que apoiará a “mudança de governo”, preservando sua maioria. Rejeitando pressão para desertar para o bloco de Netanyahu, Orbach disse que a decisão, tomada com o ‘coração pesado’, é necessária para evitar o colapso político de Israel: “Eu escolhi o que é bom para o país”, disse ele.
O governo emergente será chefiado primeiro pelo líder do partido Yamina, Bennett, que será substituído por Lapid como primeiro-ministro em agosto de 2023.

Foto: Ra’anan Cohen