Relatório mostra aumento de antissemitismo com narrativa que culpa judeus e Israel pela pandemia

O Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel divulgou um relatório que aponta o uso o uso generalizado do coronavírus com o objetivo de promover a deslegitimização do Estado de Israel pela disseminação de teorias da conspiração, usando motivos antissemitas.

O relatório, apresentado como “O vírus do ódio – O encontro antissemita entre deslegitimização e extrema direita sob amparo do coronavírus” é uma continuação do elaborado em setembro de 2019, “Por trás da máscara”, que expõe o vínculo entre a campanha BDS ea deslegitimação e antissemitismo de Israel. Após o surto do coronavírus e continuando o relatório anterior, o Ministério de Assuntos Estratégicos tem acompanhado as manifestações de deslegitimização e antissemitismo em todo o mundo que ligam judeus e o Estadode Israel à pandemia. O acompanhamento é realizado por meio do monitoramento de redes sociais, entre outras, das organizações de deslegitimação e boicote, bem como do monitoramento das declarações de funcionários estaduais e semi-estatais hostis.

De acordo com o documento, o cenário emergente da situação é o uso generalizado do coronavírus com o objetivo de promover a deslegitimização do Estado de Israel pela disseminação de teorias da conspiração, usando motivos antissemitas.

As teorias da conspiração e as expressões de deslegitimização com motivos antissemitas, recentemente disseminadas nos contextos de coronavírus, são, de acordo com o documento, divididas em dois grupos: Antissemitismo clássico contra os judeus como uma continuaçãodas teorias da conspiração sobre a propagação de epidemias e doenças pelos judeus que prevalecem na Europa há séculos. Os principais geradores são os círculos de extrema direita dos Estados Unidos e da Europa e, em certa medida, também certos indivíduos dopúblico em geral e da extrema esquerda. E o antissemitismo moderno contra o Estado de Israel, como uma continuação das expressões de deslegitimização de Israel. Os principais geradores são funcionários estatais e semi-estatais, organizações terroristas e ativistasda sociedade civil, como o Irã, a Autoridade Palestina, o Hamas e a campanha BDS.

Um motivo comum para todas as declarações é que os judeus e / ou o Estado de Israel são comparáveis ao coronavírus e exploram a disseminação do vírus para alcançar objetivos econômicos e políticos. Com base nesse motivo, duas histórias paralelas são formadas:uma culpa os judeus e a outra Israel.

Segundo o relatório, o Irã também está envolvido na divulgação de teorias antissemitas. Alguns iranianos, entre outros através da mídia ligada ao regime, estão transmitindo declarações e desenhos antissemitas que descrevem judeus e Israel como responsáveispela disseminação do vírus.

Ainda segundo o documento, a situação pode trazer, com o fim da quarentena e os desafios econômicos globais, ameaças às comunidades judaicas. “Em nossa opinião, a eliminação progressiva da quarentena, que está ocorrendo em todo o mundo, pode tornar a ameaçatangível no curto prazo. Isso, tendo em vista o receio de que o discurso problemático que ocorre no espaço digital, juntamente com os sentimentos de frustração devido às repercussões econômicas, cheguem às vias de fato”. No relatório ressalta-se necessárioformular e adotar uma série de medidas agora, desde a coleta sistemática e extensiva de informações ao aumento das medidas de aplicação da lei e punição e à intensificação das medidas de segurança nas redes e fora delas.