Rio de Janeiro é reconhecida como cidade-irmã de Ra’anana, capital do imigrante brasileiro em Israel

Rio de Janeiro e Ra’anana são agora cidades irmãs, uma aspiração de longa data dos imigrantes brasileiros que transformaram o sofisticado subúrbio de Tel Aviv em seu novo lar.

“É o resultado da ótima relação entre Israel e o Brasil e um reconhecimento pelo fato de Ra’anana abrigar a maior população de imigrantes brasileiros em nosso país”, escreveu o prefeito de Ra’anana, Chaim Broyde, nas redes sociais nesta segunda-feira (22). “Pretendo explorar as conexões, promover questões econômicas, comerciais e culturais entre nossas cidades”, completou.

A designação de cidades-irmãs implica em uma forma de acordo jurídico ou social entre duas localidades geográfica e politicamente distintas com o objetivo de promover laços culturais e comerciais.

O Rio não é o primeiro local a se tornar uma cidade-irmã de Ra’anana. Ele se junta a Atlanta e outras sete cidades que têm a mesma designação.

“Ra’anana é conhecida por receber carinhosamente os imigrantes cariocas que optam por começar uma nova vida em Israel”, disse Teresa Bergher, vereadora do Rio que propôs a parceria em 2015, à Agência Telegráfica Judaica (JTA).

“Estamos realmente entusiasmados em fortalecer nossos laços de amizade e fraternidade”, acrescentou Bergher, cuja família co-patrocinou a inauguração do memorial do Holocausto no Rio em dezembro.

Desde 2015, Ra’anana se tornou rapidamente o principal destino dos brasileiros que se mudam para Israel, uma média de cerca de 650 pessoas a cada ano, de acordo com a Agência Judaica para Israel. De praças a pátios de escolas, a presença de brasileiros é sentida em Ra’anana.

A cidade foi fundada na década de 1920 por um grupo de nova-iorquinos e cerca de 20% dos residentes falam inglês como primeira língua. Para os judeus brasileiros que já sonharam em imigrar para os EUA, mas acharam difícil fazê-lo legalmente, morar em Ra’anana – com seu estilo de vida sofisticado e preponderância de falantes de inglês – é a segunda melhor opção.

“Tanto o Rio quanto Ra’anana são ímãs de recém-chegados, onde todos se sentem em casa. Os imigrantes do Rio podem sentir a mesma informalidade deste lugar acolhedor”, disse Alberto Klein, presidente da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro, à JTA.

A notícia se espalhou rapidamente entre as 300 famílias brasileiras da cidade e virou manchete na comunidade judaica brasileira de 120.000 pessoas. Uma única postagem no Viva Israel, um portal popular de notícias judaicas em português, obteve mais de 1.500 curtidas e centenas de compartilhamentos em questão de horas.

“Vejo o anúncio como uma conquista compartilhada por todos nós brasileiros que moramos aqui. Nosso objetivo sempre foi ajudar a impulsionar a socialização de novos imigrantes”, disse ao JTA Alexandre Gomberg, carioca e um dos fundadores da comunidade brasileira em Ra’anana.

Foto: Tomer Neuberg/Flash90