Sem acordo, partidos israelenses já preveem novas eleições 

A imprensa israelense afirmou que os partidos Likud, do premier Bernjamin Netanyahu, e Azul e Branco, do ministro da Defesa e premier rotativo, Benny Gantz, não estão mais negociando para chegar a um acordo e impedir a quarta eleição em dois anos em Israel.
O prazo final para a aprovação do orçamento do Estado para 2020 termina à meia-noite de terça-feira.
O assessor jurídico do Knesset determinou que o prazo de 23 de dezembro para a aprovação do orçamento, fixado em projeto de lei aprovado em agosto, deve ser interpretado como o momento posterior a essa data-limite, que termina no dia 22. O projeto de agosto postergou o prazo para aprovação do orçamento em 120 dias.
Adiar o prazo em mais um dia tornará ainda mais difícil chegar a um acordo entre o Likud e Azul e Branco para evitar a eleição. Ambas as partes relataram que nenhum progresso foi alcançado nas negociações.
O líder do Azul e Branco, Benny Gantz, recusou a exigência do Likud nas negociações para demitir o ministro da Justiça, Avi Nissenkorn. Ele disse que seu partido estava comprometido em proteger o estabelecimento legal, então a demanda estava fora de questão.
“Devemos evitar eleições e deixar este governo funcionar – com orçamentos, planejamento e nomeações para posições-chave”, disse Gantz na Conferência Eli Hurvitz sobre Economia e Sociedade do Instituto de Democracia de Israel nesta quarta-feira. “Espero que o primeiro-ministro dê um passo à frente, mas também estou preparado para as eleições”, completou.
O orçamento teria de ser aprovado em mais três votações no plenário e mais duas vezes no Comitê da Câmara do Knesset para evitar que uma eleição seja marcada automaticamente para o dia 23 de março.