Sérvia mudará embaixada para Jerusalém, e Kosovo, de maioria muçulmana, reconhecerá Israel

A Sérvia anunciou na sexta-feira que mudaria sua embaixada para Jerusalém, enquanto Kosovo, de maioria muçulmana, deve reconhecer Israel. As medidas vêm como parte das discussões mediadas pelos EUA para normalizar os laços econômicos entre Belgrado e Pristina.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu saudou as medidas e disse que Israel estabeleceria relações diplomáticas com Kosovo.

Após dois dias de reuniões com funcionários do governo Trump, o presidente sérvio Aleksandar Vucic e o primeiro-ministro de Kosovo, Avdullah Hoti, concordaram em cooperar em uma série de frentes econômicas para atrair investimentos e criar empregos. O anúncio da Casa Branca deu ao presidente dos EUA, Donald Trump, uma vitória diplomática antes da eleição presidencial de novembro e reforça o esforço de seu governo para melhorar a posição internacional de Israel.

“Na verdade, é histórico”, disse Trump, ao lado dos dois líderes no Salão Oval. “Estou ansioso para ir aos dois países em um futuro não muito distante”.

A decisão da Sérvia de mudar sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém é um aceno para Israel e os Estados Unidos. A administração Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel no final de 2017 e transferiu a embaixada dos EUA para lá em maio de 2018.

O governo encorajou outros países a fazerem o mesmo, mas foi amplamente criticado pelos palestinos e por muitos na Europa porque o conflito israelense-palestino continua sem solução. Kosovo, um país predominantemente muçulmano, nunca antes reconheceu Israel, nem Israel reconheceu Kosovo.

Após o anúncio, Netanyahu agradeceu a Trump por seu papel em continuar a promover a posição diplomática de Israel.

“Agradeço ao meu amigo, o presidente Vucic, da Sérvia, por sua decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir sua embaixada”, disse Netanyahu. “Também quero agradecer ao meu amigo Donald Trump por sua contribuição para essa conquista.”

Um comunicado do escritório de Netanyahu saudou a Sérvia por ser a primeira nação europeia a concordar em mudar sua embaixada e disse que os esforços continuam a convencer outras nações europeias a também fazê-lo.

Netanyahu disse que após as discussões mantidas nos últimos dias entre o Ministério das Relações Exteriores, Conselho de Segurança Nacional e outros, foi decidido que Israel estabelecerá relações diplomáticas com Kosovo.

Os gestos para Israel são parte do esforço da administração Trump para melhorar a posição internacional do estado judeu, que incluiu denúncias contundentes de críticas a Israel nas Nações Unidas e em outros fóruns internacionais. Mais recentemente, o governo intermediou um acordo para que Israel e os Emirados Árabes Unidos normalizem as relações. Isso foi seguido pelo primeiro voo comercial entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, com a vizinha Arábia Saudita e o Bahrein para permitir que tais voos passassem por seu espaço aéreo. Outros estados árabes, incluindo Sudão, Bahrein e Omã, foram identificados como países que também podem normalizar as relações com Israel.

O Parlamento de Kosovo declarou independência da Sérvia em 2008, nove anos depois que a Otan conduziu uma campanha de ataque aéreo de 78 dias contra a Sérvia para impedir uma repressão sangrenta contra albaneses étnicos em Kosovo.

A maioria das nações ocidentais reconheceu a independência de Kosovo, mas a Sérvia e seus aliados Rússia e China não. O impasse contínuo e a relutância da Sérvia em reconhecer Kosovo mantiveram as tensões latentes e impediram a estabilização total da região dos Bálcãs após as guerras sangrentas da década de 1990.

“Não podemos aceitar qualquer documento que inclua a independência de Kosovo, e ponto final”, disse Vucic a repórteres após reuniões de quinta-feira na Casa Branca.

Sérvia e Kosovo já aprovaram acordos aéreos, ferroviários e de trânsito, incluindo um que abriria caminho para o primeiro voo entre Pristina e Belgrado em 21 anos. O novo acordo abrange muito mais áreas de cooperação econômica. Os líderes empresariais dos dois países ficaram frustrados e conversaram entre si sobre maneiras de fomentar o investimento fora das negociações políticas em andamento mediadas pela União Europeia.

Na segunda-feira, Vucic e Hoti estão programados para ir a Bruxelas para manter conversas sob os auspícios do chefe da política externa da UE, Josep Borrell, e do enviado especial para o diálogo Belgrado-Pristina, Miroslav Lajcak.

A UE tem mediado as negociações entre os dois ex-adversários do tempo de guerra por mais de uma década, e o esforço paralelo dos EUA, embora focado no desenvolvimento econômico, não foi totalmente adotado por alguns funcionários da UE.

A reunião de cúpula da Casa Branca estava originalmente marcada para junho, mas foi cancelada depois que o presidente de Kosovo, Hashim Thaci, que lideraria a delegação de Kosovo, foi indiciado por crimes de guerra por um tribunal internacional.