“’Solução final’: 80 anos sem eufemismo”

O jornal Folha de S.Paulo publicou artigo nesta quarta (27) de Sofia Débora Levy, representante para a Memória do Holocausto do Congresso Judaico Latino-Americano (CJL) e diretora do Memorial às Vítimas do Holocausto do Rio de Janeiro, por ocasião do Yom Hashoá. “Ocorrido há 80 anos, 1942 foi marcado com episódios hediondos pela frieza institucional com que foram executados — a começar pela Conferência de Wannsee, em 20 de janeiro, que estabeleceu a “solução final”, expressão eufemista para designar o extermínio em massa dos judeus. Em outras palavras: matar o maior número de pessoas no menor espaço de tempo. Aos judeus, se seguiriam os ciganos. Com isso, em março, Auschwitz passou de campo de concentração a campo de extermínio, com a abertura de Birkenau, onde cerca de 1,5 milhão de pessoas foram assassinadas”, diz ela no artigo. Leia o artigo na íntegra.