Taxa de infecção por coronavírus ainda é alta em Israel: 9.388 novos casos nas últimas 24 horas

Cerca de 9.388 pessoas foram diagnosticadas com coronavírus nesta quarta-feira, informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira de manhã – não chegou a ser um pico, mas foi um dos maiores números de novos casos diários desde o início da crise de Covid-19.

Das mais de 120.000 pessoas que foram examinadas, 7,9% tiveram resultado positivo.

Este é o terceiro dia consecutivo com mais de 9.000 novos casos.

Ainda existe um número sem precedentes de pessoas em estado grave. Das 1.084 pessoas internadas, quase todas – 1.063 – estão em estado grave, informou o Ministério da Saúde, incluindo 273 em ventiladores.

O número de pacientes graves diminuiu ligeiramente de seu pico de 1.102 no início desta semana. No entanto, os hospitais tiveram que abrir novas unidades e abster-se de oferecer cirurgias eletivas para administrar o número de casos de Covid-19.

Além disso, cerca de 33 morreram no último dia, elevando o número de mortos para 3.826. No total, 155 pessoas sucumbiram ao coronavírus desde o início da semana. O maior número de pacientes que morreram com o vírus em um único dia foi na terça-feira, que registrou 49 mortes.

Dada a alta taxa de infecção, o Ministério da Saúde deve pedir a prorrogação do último bloqueio em pelo menos uma semana, nas reuniões que devem ocorrer no domingo. O ministério disse ainda que qualquer estratégia de saída não aconteceria de uma só vez, mas seria feita por etapas, a começar pela abertura das escolas.

“É impossível imaginar que sairemos [do bloqueio] em 10 dias”, disse o chefe dos Serviços de Saúde Pública, Sharon Alroy-Preis, em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tem mantido discussões com autoridades de saúde sobre o assunto nos últimos dias, incluindo como e quando estrear o passaporte verde, que pode abrir ainda mais a economia.

Dois milhões de pessoas já receberam sua primeira dose da vacina Pfizer contra o coronavírus e, até o momento, 104.346 completaram duas doses e devem estar imunes ao vírus em uma semana.

Mais vacinas da Pfizer estão a caminho. Outro grande carregamento é esperado para o país no domingo e mais a cada semana seguinte, com a meta de vacinar cerca de 200 mil pessoas por dia com sua primeira ou segunda dose. Até o final de março, Israel deve ter dado as duas doses para cinco milhões de pessoas.

A combinação de pessoas vacinadas e o medo das mutações britânicas e sul-africanas, que espalham o vírus ainda mais rápido, estão complicando os cálculos do Ministério da Saúde sobre quando sair. Alroy-Preis disse que o ministério vai olhar não só para o número total de novos casos diários, mas se há uma diminuição dos casos graves, o que significa que à medida que idosos e pessoas de alto risco recebem a segunda dose, a economia pode abrir mesmo se o vírus estiver se espalhando.

O Infectious Diseases Research Lab do Sheba Medical Center informou que identificou quatro casos adicionais da variante sul-africana. Até o momento, foram registrados oito casos no país.

Foto: MARC ISRAEL SELLEM/THE JERUSALEM POST